Entenda a Arquitetura de Microsserviços e Quando Utilizá-la | Accurate Blog Accurate

Microsserviços

Entenda a Arquitetura de Microsserviços e Quando Utilizá-la em um Projeto

Microsserviços é um tipo de arquitetura que consiste em diversos serviços granulares e independentes.

 Diferente da arquitetura monolítica onde temos um único sistema que engloba todas as tarefas, realiza todos os testes e possui uma única linguagem de programação, os microsserviços são auto suficientes que trabalham juntos para realizar uma ou várias tarefas.

Agora você deve estar se questionando: será que devo transformar minha aplicação em microsserviços? 

A arquitetura monolítica é coisa do passado? Não vou ter mais nenhum problema utilizando essa nova abordagem? 

Vamos com calma, a arquitetura de microsserviços não é uma bala de prata e vamos explicar aqui neste conteúdo quando devemos utilizá-la.

O que é arquitetura monolítica?

Uma arquitetura monolítica é um modelo em que todos os processos são executados como se fossem um único serviço, ou seja, possui um único executável.

Sistemas de monitoramento cardíaco e controladores de vôos são bons exemplos onde esse tipo de arquitetura se enquadra, uma vez que a precisão é um ponto vital da aplicação. 

As conexões entre microsserviços são passíveis de falhas e nesses casos podem causar sérios problemas.

Características:

  • Possuem menos componentes do que a arquitetura de microsserviços;
  • Maior risco de indisponibilidade da aplicação;
  • Compartilham os mesmos recursos como processamento, memória, banco de dados e etc;
  • Escalabilidade limitada;
  • Menor dependência de componentes externos, como por exemplo não é necessário um gateway;
  • Maior facilidade em resolução de problemas (troubleshooting);
  • Aumento da complexidade de código ao incluir novas funcionalidades.

O que é arquitetura de microsserviços?

Os microsserviços são um conjunto de pequenos serviços que possuem seu próprio processo e seu próprio banco de dados.

Além disso, ele possui regras de negócios bem específicas e são implementados de forma a não depender de outros serviços para seu funcionamento.

 A comunicação entre microsserviços pode ser realizada por APIs Rest, brokers de mensagens e fluxos de eventos. 

Vantagens

  • Diversidade tecnológica: cada microsserviços pode utilizar a tecnologia que o time de desenvolvimento achar mais adequada e tiver maior experiência;
  • Baixo acoplamento: cada microsserviço tem suas regras bem definidas e a falha de um deles não impacta diretamente em outras funcionalidades da aplicação;
  • Escalabilidade: a medida que a aplicação cresce, é possível melhorar a infraestrutura de determinados servidores nas quais aquele microsserviço que é mais requisitado está;
  • Fácil implantação: as alterações nos microsserviços podem ser feitos por integrações e entregas contínuas o que acelera a implantação de novas funcionalidades para o cliente;
  • Reutilização de código: um serviço bem definido pode ser reutilizado por outros times como base para criação de outros recursos.

Desafios

Podem ser encontrados nos processos os seguintes desafios:

  • Cultural: cada time será responsável por um serviço específico e tem o seu ritmo de entrega e implantação o que pode ser considerado um desafios em algumas organizações;
  • Testes: os testes de integrações devem ser explorados para que sejam minimizados os problemas de falhas em algum microsserviço;
  • Monitoramento: os mecanismos de logs e conectividade devem ser um ponto de atenção para que seja de fácil análise e verificação de qual microsserviço gerou a ocorrência;
  • Comunicação entre serviços de modo que a aplicação esteja sempre preparada para falhas e futuras integrações.

Conclusão

Diante dos pontos levantados, a arquitetura de microsserviços eleva um grau de maturidade tanto de regras de negócios quanto de desenvolvimento.

E existe também um aumento na complexidade de gerenciamento dos diversos serviços.

Se você tem uma aplicação pequena, um time de desenvolvimento único e suas regras de negócio não são bem definidas e bastantes acopladas talvez ainda não seja o momento de migrar toda a sua aplicação para microsserviços.

Agora se você já analisou sua aplicação e percebeu que a arquitetura de microsserviços vai te trazer benefício, comece aos poucos, um bom caminho é:

  1. Começar separando os domínios de cada serviços;
  2. Crie bancos proprietários; 
  3. Crie os primeiros microsserviços para as novas funcionalidades;
  4. Crie o processo de CI/CD automatizado 
  5. E conheça outros times em busca de uma solução adequada para cada microsserviços e para sua organização como um todo.

Na Accurate você sempre encontrará os Processos mais Modernos de Desenvolvimento de Projetos

A Accurate possui um time dinâmico e sempre atualizado nos processos mais modernos para o desenvolvimento de seus projetos. 

Conheça mais sobre os projetos, acessando o site. E se você é um profissional da área de T.I. e quer saber mais sobre as nossas vagas, acesse a página de carreiras. 

Não deixe também de compartilhar e acompanhar os conteúdos do Blog da Accurate. 

Siga também as nossas Redes Sociais: Facebook, Instagram, Twitter e Linkedin

Autor

Thatiane Kawabata
Thatiane Kawabata
Graduada e mestre pela UNESP, atua com frentes de liderança e arquitetura de sistemas. Gosta de aprender e discutir sobre novas tecnologias e boas práticas de desenvolvimento. Além desse universo, ama estar com a família, assistir filmes e séries, ler e viajar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *